Scroll Top

alimentos saudáveis dicas Dicas de Saúde óleo natural ômega 3 peixe

11 Benefícios do Peixe para Visão na Velhice

Ele é saboroso, nutritivo e faz muito bem para a saúde. Ainda assim, há quem resista em incluir o peixe na alimentação do dia a dia. Apesar de vivermos em um país com mais de 8 mil quilômetros de praias e outros milhares de quilômetros de rios, o brasileiro consome apenas nove quilos de pescados por ano, de acordo com dados do Ministério da Pesca e da Aquicultura. Número que, apesar de ter crescido nos últimos anos, ainda é muito inferior ao do consumo de carne vermelha, que alcança 37 quilos anuais no país. E motivos para aumentar o consumo de peixes não faltam: ele está relacionado a menores níveis de colesterol ruim, aumento do colesterol bom, beneficiando diretamente a saúde do coração. Além disso, há amplos estudos que indicam que os peixes ajudam a evitar enfermidades como a asma, a artrite reumatoide e as doenças inflamatórias intestinais.

Comer peixe uma vez por semana melhora a saúde cerebral: Os peixes fornecem uma proteína de excelente valor biológico, de fácil digestão e, ao contrário das outras carnes, não são ricos em gorduras saturadas e possuem menos calorias, podendo auxiliar na perda de peso — explica a endocrinologista do Centro da Obesidade e Síndrome Metabólica da PUCRS.beneficio-peixe

Consumo de peixes ricos em ômega-3 ajuda a prevenir o diabetes: Os peixes também são ricos em vitaminas, cálcio, ferro e selênio. São fontes de cálcio e vitamina D, auxiliando na saúde óssea e prevenindo a osteoporose. Possuem vitaminas do complexo B que fortalecem o sistema nervoso e ajudam no crescimento e bom estado da pele, unhas e visão. Para ter todos esses benefícios, não precisa ter um consumo muito elevado: basta uma porção de 100g, o equivalente a um filé pequeno, duas vezes por semana, de acordo com recomendações da American Heart Association.

O poderoso ômega 3: Um dos principais componentes que tornam os peixes alimentos tão saudáveis é o ômega 3. Os ácidos graxos ômega 3 reduzem a viscosidade do sangue, diminuindo as taxas de triglicérides e aumentando o colesterol bom. Podem auxiliar no controle da pressão arterial, do diabetes e de doenças degenerativas.

Ômega 3 ajuda as crianças a dormir melhor, aponta pesquisa: O ômega 3 também traz benefícios para a saúde de gestantes e bebês, sendo responsável por uma taxa menor de partos prematuros. O consumo de peixes é liberado na gestação, desde que o alimento esteja bem cozido. O ômega 3 é importante no desenvolvimento do sistema nervoso central do feto e do recém-nascido. Por isso, a mãe deve manter uma dieta rica em peixes também durante a amamentação.

Saiba quais são os benefícios de cada tipo de peixe para a saúde: Todos os peixes contêm ômega 3, mas os campeões na quantidade são os de água fria. Entretanto, é bom ficar atento à procedência, pois os animais criados em cativeiros têm uma concentração menor do ácido graxo. Também é importante prestar atenção à forma de consumo: o produto fresco tem qualidade superior àquele que já está pronto, como os enlatados. No caso do atum e da sardinha, ainda assim, eles continuam sendo fonte de ômega 3. A dica é optar pelo produto preparado em água e sal, mais saudável do que a versão em óleo. E, ao optar pela versão fresca, cuidado na hora do preparo: evite as frituras e retire a pele do peixe antes de grelhar ou assar, pois é nela que se encontra ao mau colesterol.

 Os peixes são ricos em nutrientes importantes: De um modo geral, todos os tipos de peixes são bons para você. Eles são ricos em muitos nutrientes que a maioria das pessoas não estão recebendo o suficiente. Isto inclui proteínas de alta qualidade, iodo e várias vitaminas e minerais. No entanto, alguns peixes são melhores do que outros, e os gordos tipos de peixes são considerados os mais saudáveis. Isso porque os peixes gordos (como salmão, truta, sardinha, atum e cavala) são mais elevados em nutrientes à base de gorduras. Isto inclui a vitamina D, solúvel em gordura, um nutriente que a maioria das pessoas são deficientes. Ele funciona como uma hormona esteroide no corpo. Os peixes gordos também são muito mais elevados em ácidos gordos ômega-3. Esses ácidos graxos são essenciais para o seu corpo e cérebro para funcionar da melhor maneira, e estão fortemente ligados à redução do risco de muitas doenças. Requisitos recomendados: Comer peixe gordo, pelo menos, uma ou duas vezes por semana é recomendado.

Peixes podem reduzir o risco de ataques cardíacos e derrames: Ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais são as duas causas mais comuns de morte prematura no mundo. O peixe é considerado entre os melhores alimentos que você pode comer para um coração saudável. Não surpreendentemente, muitos estudos observacionais grandes mostraram que as pessoas que comem peixes parecem regularmente para ter um menor risco de ataques cardíacos, derrames e morte por doença cardíaca. Em um estudo de mais de 40.000 profissionais de saúde do sexo masculino nos EUA, aqueles que comiam regularmente 1 ou mais porções de peixe por semana tiveram um risco 15% menor de doenças cardíacas. Os investigadores acreditam que os tipos gordos de peixes são ainda mais benéficos para a saúde do coração, devido à sua elevada quantidade de ácidos graxos ômega-3.

Peixe contém nutrientes que são cruciais durante o desenvolvimento: Os ácidos graxos ômega-3 são absolutamente essenciais para o crescimento e desenvolvimento. O ácido omega-3 fatty ácido docosa-hexaenóico (DHA) é especialmente importante, porque ele acumula-se no cérebro em desenvolvimento e olho. Por esta razão, muitas vezes é recomendado que esperam e mães que amamentam certifique-se comer ácidos graxos ômega-3 suficientes. No entanto, há uma ressalva com recomendar peixe para gestantes. Alguns peixes é são levado em mercúrio, que, ironicamente, está ligado ao cérebro de desenvolvimento de problemas . Por esta razão, as mulheres grávidas só devem comer peixes que são baixos na cadeia alimentar (salmão, sardinha, truta, etc), e não mais de 12 onças (340 gramas) por semana. As mulheres grávidas também devem evitar o peixe cru e crua (incluindo Sushi), pois pode conter micro-organismos que podem prejudicar o feto.

 O peixe pode aumentar a matéria cinzenta no cérebro e protege de deterioração e degeneração macular: Uma das consequências do envelhecimento é que a função do cérebro se deteriora, muitas vezes (referido como o declínio cognitivo relacionado com a idade). Isto é normal em muitos casos, mas, em seguida, há também graves doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer. Curiosamente, muitos estudos observacionais têm mostrado que pessoas que comem mais peixes têm taxas mais lentas de declínio cognitivo. Um mecanismo pode estar relacionado com a matéria cinzenta no cérebro. Matéria cinzenta é o principal tecido funcional em seu cérebro, que contém os neurônios que processam informação, memórias de loja e torna-o humano. Estudos têm mostrado que pessoas que comem peixe toda semana têm mais matéria cinzenta nos centros do cérebro que regulam a emoção e memória.

Peixe pode ajudar a prevenir e tratar a depressão, tornando-o uma pessoa mais feliz A depressão é um transtorno mental grave e incrivelmente comum. É caracterizada por baixo humor, tristeza, diminuição da energia e perda de interesse na vida e atividades. Embora não se fale quase tanto como doença cardíaca ou obesidade, a depressão é atualmente um dos maiores problemas de saúde do mundo. Estudos descobriram que as pessoas que comem peixe regularmente são muito menos propensos à depressão. Numerosos estudos controlados também descobriram que os ácidos graxos ômega-3 são benéficos contra a depressão, e aumentar significativamente a eficácia de medicamentos antidepressivos. O que isto significa é que o peixe pode literalmente fazer você uma pessoa mais feliz e melhorar a sua qualidade de vida. Ácidos de peixe e ácidos graxos ômega-3 também pode ajudar com outros transtornos mentais, como transtorno bipolar.

Peixe é o único bem dietético fonte de vitamina D A vitamina D tem recebido muita atenção da mídia nos últimos anos. Esta vitamina importante, na verdade, funciona como uma hormona esteroide no corpo, em que 41,6% da população dos Estados Unidos é deficiente. Peixe e seus derivados são as melhores fontes alimentares de vitamina D, de longe. Peixes gordos como o salmão e o arenque contêm as maiores quantidades. Uma dose única de 4 onças (113 gramas) que serve de salmão preparados contém cerca de 100% da ingestão recomendada de vitamina D. Alguns óleos de peixe, tais como óleo de fígado de bacalhau, também são muito ricos em vitamina D, proporcionando mais do que 200% da ingestão recomendada de uma única colher de sopa. Se você não ficar muito no sol e não comer peixes gordurosos regularmente, então você pode tomar um suplemento de vitamina D.

O consumo peixe está ligado ao risco reduzido de doenças autoimunes, incluindo diabetes tipo 1 doença auto-imune ocorre quando há ataques equivocadamente no sistema imunológico e destrói os tecidos saudáveis do corpo. Um exemplo chave é diabetes tipo 1 , que envolve o sistema imune a atacar as células produtoras de insulina no pâncreas. Diversos estudos demonstraram que a omega-3 de óleo de peixe ou o consumo está ligada à redução do risco de diabetes tipo 1 em crianças, assim como uma forma de diabetes auto-imunes em adultos. Os resultados são preliminares, mas os pesquisadores acreditam que isso pode ser causado pelos ácidos graxos ômega-3 e vitamina D em peixes e óleos de peixe. Alguns acreditam que o consumo de peixe também pode diminuir o risco de artrite reumatoide e esclerose múltipla, mas a evidência atual é fraco na melhor das hipóteses. A asma é uma doença comum que é caracterizada pela inflamação crônica nas vias respiratórias. Infelizmente, as taxas de asma têm aumentado dramaticamente ao longo das últimas décadas. Estudos mostram que o consumo regular de peixe está ligado a um risco 24% inferior de asma em crianças, mas nenhum efeito significativo foi encontrado em adultos.

Os peixes podem Proteger sua visão na velhice: Uma doença chamada degeneração macular é a principal causa de deficiência visual e cegueira, e afeta principalmente os indivíduos mais velhos. Há algumas evidências de que os ácidos de peixe e gordos ômega-3 podem fornecer uma proteção contra esta doença. Num estudo, o consumo regular de peixe foi associada a um risco 42% inferior de degeneração macular em mulheres. Outro estudo descobriu que comer peixes gordos uma vez por semana foi associado a um 53% menor risco de neovascular (degeneração macular).

peixe pode melhorar a qualidade do sono: Os distúrbios do sono tornaram-se incrivelmente comum em todo o mundo. Há muitas razões diferentes para isso (como o aumento da exposição à luz azul), mas alguns pesquisadores acreditam que a deficiência de vitamina D também pode desempenhar esse papel. Em um estudo de 6 meses de 95 homens de meia-idade, uma refeição com salmão três vezes por semana levou a melhorias, tanto sono e diariamente funcionando. Os investigadores especularam que este foi causado pela vitamina D no salmão.

 O peixe é delicioso e fácil de preparar: Este último não é um benefício para a saúde, mas ainda muito importante. É o fato de que o peixe é delicioso e fácil de preparar. Por esta razão, deve ser relativamente fácil de incorporá-lo na dieta. Comer peixe 1-2 vezes por semana é considerada suficiente para colher os benefícios. Se possível, escolha peixes selvagens capturados ao longo de viveiro. Peixes selvagens tende a ter mais ômega-3 e é menos provável de ser contaminados com poluentes nocivos. Dito isto, mesmo se comer peixes de viveiro, os benefícios ainda superam os riscos. Todos os tipos de peixes são bons para você.peixe-omega

Que quantidade deve ser ingerida para obter a porção adequada de ômega 3? Um estudo publicado no Journal of the American Heart Association em 2002 apresentou a quantidade de peixes a ser consumida diariamente para alcançar aproximadamente 1g de ômega 3. Confira:

  • Atum enlatado em água: 340g
  • Atum fresco: 71g a 340g
  • Salmão rosa: 71g
  • Salmão do Atlântico (cultivado): 42,5g a 71g
  • Salmão do Atlântico (selvagem): 57g a 99g
  • Truta cultivada: 85g
  • Truta selvagem: 99g
  • Bacalhau do Atlântico: 354g
  • Bacalhau do Pacífico: 652g
  • Sardinha: 57g a 85g
  • Cavala: 57g a 241 g
  • Arenque do Atlântico: 57g

Seja o primeiro a comentar!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo: