Scroll Top

dicas Dicas de Saúde gravidez infecção infecção urinaria

Infecção Urinaria na Gravidez Causa e Tratamento

Quem já sofreu com o problema sabe que as dores causadas pela infecção urinária não são nada agradáveis. Mas ainda há quem lide bem com o desconforto e pense que ele não vai trazer nenhum prejuízo além da ardência e alguma dor nos rins. Engano grave e arriscado: a doença é a segunda causa de mortalidade em fetos de até três meses (a maioria das mortes acontece devido a alterações cromossômicas, geradas por um óvulo ou espermatozoides defeituosos). E o maior problema é que são as gestantes que estão mais propensas a doença, graças às mudanças que o corpo sofre. “A infecção urinária é muito freqüente durante a gestação, por causa das alterações funcionais e anatômicas dos rins e das vias urinárias durante o ciclo gravídico-puerperal”. A doença é caracterizada pelo estabelecimento e a multiplicação de microrganismos dentro do trato urinário. “A presença de bactérias afeta o maior número de pacientes. Mas também há casos decorrentes de vírus e fungos. A urina, normalmente, não deve apresentar nenhum tipo de microorganismo, em nenhuma quantidade”. Além de alavancar os casos de aborto espontâneo, a infecção urinária (também conhecida como infecção do trato urinário ou ITU) aumenta as chances da mulher apresentar crescimento intra-uterino retardado e do bebê sofrer com problemas de baixo peso ao nascer. “O pré-natal, realizado desde o início da gestação, previne tudo isso, já que o médico pede exames capazes de apontar qualquer alteração no trato urinário”. Pacientes com história de infecção urinária antes da gravidez, diabéticas e pacientes com mais de três filhos precisam ficar atentas, já que essas características aumentam as chances da doença. “Ardência, dor, dificuldade para urinar, mau cheiro e cor opaca da urina são os sintomas mais comuns da doença e principalmente as mulheres gestantes devem ficar atentas”.  O diagnóstico é bem simples e um exame de urina comum já é capaz de detectar qualquer alteração que ofereça riscos. “Par descobrir se a mulher está com infecção urinária o médico deve fazer uma solicitação do exame de urina tipo I e cultura de urina, durante o Pré-Natal. Esses são exames simples e não oferecem nem risco para o bebê. Normalmente são realizados com o primeiro jato de urina do dia, após uma higienização da região peri-uretral”

Causas das infecções durante a gravidez: Entre 2 a 4 por cento das grávidas desenvolvem uma infecção urinária. Os médicos supõem que a causa disto se encontra nas alterações hormonais e da posição anatômica do aparelho urinário durante a gravidez, que facilitam que as bactérias viajem através dos ureteres até aos rins. Por esta razão recomenda-se fazer análises periódicas á urina durante a gravidez.infecção

  •  Os rins aumentam de tamanho pelo aumento do fluxo sanguíneo que devem filtrar e, dessa forma, aumenta a longitude renal.
  • A bexiga é deslocada do seu sítio habitual pelo crescimento do feto.
  • O aumento da hormona progesterona produz o relaxamento da musculatura da bexiga e dos ureteres, o que torna o fluxo da urina mais lento.
  • O útero comprime os ureteres, especialmente o do lado direito, acumulando-se nos ureteres até 200 ml de urina.
  • Este estancamento urinário favorece o aparecimento das bactérias.
  • O pH da urina altera e torna-se mais alcalino.

Sintomas da infecção urinária na gravidez: Os sintomas da infecção urinária são:

  • Aumento da frequência em urinar;
  • Urina turva;
  • Urgência em urinar;
  • Dor/ardor ao urinar;
  • Vestígios de sangue ao urinar.
  • Quando a infecção urinária atinge os rins, os sintomas incluem:
  • Febre;
  • Dor no fundo das costas;
  • Enjoos e vômitos;

Dificuldade para urinar. Se não tratada, a infecção urinária pode causar anemia, hipertensão e pré-eclâmpsia, além de aumento do risco de infecções na bexiga e pielonefrite, que é uma infecção grave no rim da mulher. O aumento da infecção pode provocar uma infecção generalizada no corpo, o que pode levar à morte.

Pequenas medidas que ajudam a prevenir uma infecção urinária: Pode parecer contraditório, mas quanto mais você for ao banheiro, mais estará contribuindo para o seu organismo ficar livre dessa infecção. “Fazer xixi é uma grande defesa, já que a urina lava o canal urinal”. O médico alerta que o hábito de “segurar o xixi” não é saudável e pode provocar uma infecção. Urinar após as relações sexuais também é uma medida preventiva. Assim, as possíveis bactérias que estiverem por ali podem ir embora rapidinho. Cuidar da higiene pessoal é imprescindível para a futura mãe. “É importante passar o papel higiênico seguindo sempre a direção: de frente para trás. E nunca ficar de biquíni ou roupas molhadas por muito tempo”, aconselha Pupo. A escolha da calcinha também pode contribuir para a prevenção. O algodão tem maior poder de absorção, então, é preferível optar por esse material. “E sempre que possível, é bom ficar uns intervalos sem ela”,

Infecção urinária na gravidez pode prejudicar o bebê? Os tipos mais graves de infecção urinária são a cistite e a pielonefrite – as que podem causar mais complicações sistêmicas e têm os sintomas mais incômodos. Mas qualquer infecção, mesmo a que não manifesta sintoma algum, pode trazer riscos na gestação. Estudos mostram que bacteriúria não tratada está associada a maiores chances de baixo peso do bebê ao nascer e de mortalidade perinatal, alerta ainda que, em todos os casos, a infecção urinária pode causar trabalho de parto prematuro ou aborto (dependendo da idade gestacional em que a infecção ocorre). Isso porque as bactérias que causam a infecção urinária e as toxinas que produzem, ao atingir o útero, podem fazê-lo se contrair.

Saiba como evitar: Ainda que você siga à risca uma cartilha para evitar a doença, é possível experimentar uma infecção urinária na gravidez. As probabilidades de isso acontecer, porém, podem ser consideravelmente reduzidas fazendo o seguinte:

Água: Beber oito copos de água por dia.

Alimentação: Eliminar alimentos refinados, sucos de frutas, cafeína, álcool e açúcar.

Urina: Desenvolver o hábito de urinar logo que a necessidade é sentida e esvaziar a bexiga completamente quando você urinar.

Sexo: Urinar antes e depois da relação sexual.

 Limpeza: Depois de urinar, secar e manter sua área genital limpa. Certifique-se de limpar da frente para trás.

Produtos: Evite usar sabonetes fortes, duchas, cremes antissépticos e sprays de higiene feminina.

 Vestuário: Evite usar calças apertadas.

  • Evite segurar a urina quando tiver vontade ou após a relação sexual;
  • Ao ir ao banheiro, sempre limpar-se usando o papel higiênico no sentido de frente para trás, para evitar que as bactérias do ânus se espalhem;
  • Fazer a higiene íntima todos os dias e após as relações sexuais com sabonete suave e sem perfume;

Beber bastante água durante todo o dia. É importante lembrar que somente especialista está capacitado para identificar uma infecção urinária e, principalmente, indicar o uso de medicamentos, sobretudo durante a gravidez.

Dor acima da vagina quando aperta o que pode ser? Dor acima da vagina pode ser indicativo de infecção urinária. A região acima do púbis, no baixo ventre, é a região próxima da bexiga e, ao apertar pode causar dor quando a bexiga está inflamada ou infeccionada. A dor acima da vagina pode vir acompanhada de dor ao urinar, vontade urgente de urinar ou outros sintomas da infecção de urina.

Corrimento Vaginal e Ardência para Urinar o que é? Após a relação sexual, a pessoa pode sentir ardência para urinar o que não necessariamente chega a ser dor. Pela fricção que ocorre durante o ato sexual, é normal sentir essa ardência ao urinar após a relação. Essa ardência, em geral, deixa de existir após algumas micções. Outra situação que pode ocorrer é a infecção de urina, muito frequente em mulheres com vida sexual ativa. A infecção urinária pode ser desencadeada com o ato sexual. Com ela, a mulher pode sentir ardência ao urinar, micção frequente e em alguns casos, dor ao urinar. Essa infecção de urina deve ser tratada com medicação apropriada. O corrimento vaginal pode ser normal quando apresenta coloração clara ou esbranquiçada, parecida com clara de ovo, não possui cheiro forte, não provoca coceira ou ardência. Neste caso, trata-se de uma secreção vaginal normal. No entanto, corrimento vaginal branco, amarelo ou esverdeado, com odor desagradável tipo peixe podre ou azedo, pode ser algum tipo de infecção ou inflamação vaginal que precisa ser avaliada e tratada adequadamente pelo/a clínico/a geral, médico/a de família ou ginecologista. Você pode observar essa ardência e o corrimento. Caso fiquem constante, é recomendável procurar um serviço de saúde para uma avaliação e uso da medicação indicada.

Infecção urinária interfere no resultado do teste de gravidez de farmácia? Não. A presença de infecção urinária no momento do teste de gravidez não influencia o resultado. Mesmo que a mulher esteja com infecção de urina, a gravidez pode ser detectada pelo teste de farmácia. Sabe-se que o teste de gravidez feito em laboratório (Beta-HCG no sangue ou na urina) é um exame mais sensível e capaz de detectar com precisão a presença ou ausência de gravidez. Mesmo com os avanços tecnológicos do teste de farmácia, vale a pena realizar o exame de laboratório quando há dúvida. O teste realizado logo no início da gestação muitas vezes não é capaz de detectar a presença da gravidez. Por isso, muitas vezes é aconselhável aguardar 1 a 2 semanas de atraso menstrual para realização do teste. A presença de infecção urinária na gestação é algo grave e deve ser tratado brevemente para evitar danos no feto. Procure um serviço de saúde para tirar suas dúvidas, solicitar um teste de gravidez e realizar o tratamento da infecção de urina.infecção-infecção

Tratamento contra as infecções: O tratamento normal na maioria dos casos consiste na administração de antibióticos para evitar que a infecção se torne mais perigosa, já que durante a gravidez o risco de que a infecção se transforme em pielonefrite aumenta de 1,4% para 28%. Para além da importância intrínseca que tem uma infecção urinária, na grávida aumenta a frequência de anemia, eclâmpsia, partos prematuros, infecção amniótica e recém-nascidos de baixo peso. A infecção das vias urinárias causada por estreptococos Beta hemolítico é a causa da ruptura de membranas e parto prematuro. Dessa forma, o diagnóstico e tratamento precoce são essências para evitar males maiores. A eleição do medicamento dependerá do germe que a cause, do momento da gravidez, da saúde da mãe e dos efeitos potenciais que pode ter no bebé. Uma vez terminada a administração do antibiótico, realizam-se outras análises para se ter a certeza de que a infecção está curada.

Prevenção das infecções urinárias

  • Beber entre 6 a 8 copos de água diariamente.
  • Eliminar as comidas refinadas, os sumos de fruta, a cafeína, o álcool e o açúcar.
  •  Tomar vitamina C.
  •  Desenvolver o hábito de urinar no momento em que tem vontade e esvaziar completamente a sua bexiga.
  •  Urinar antes e depois das relações sexuais.
  •  Evitar as relações sexuais durante o tratamento de uma infecção urinária.
  •  Depois de urinar, secar-se sem friccionar e manter a área genital limpa. Assegura-se de que se limpa sempre da frente para trás.
  •  Evitar usar sabonetes fortes, cremes anti-sépticos e pós de higiene feminina.
  •  Trocar diariamente a roupa interior e procurar que seja de algodão.
  •  Evitar usar calças demasiado apertadas.

 

Seja o primeiro a comentar!

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo: